sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

SÃO PAULO

Minha cidade,
tão caótica e brilhante,
se divide entre o lixo e o luxo,
tão cheia de gente,
onde você encontra a solidão,
mesmo no meio da multidão.

25 de março,
amarrotada, 
de "felicidade" em forma de produto,
originais ou pirateados,
nela você encontra tudo.
24 de maio,
a velha galeria de cabeludos,
São Paulo é Rock and Roll e
também bucólico feito chorinho,

Av. Paulista ostenta, fazem as pessoas
terem um gostinho de 1º mundo.
Vila Mariana de bares e restaurantes,
esconde em suas noites, sua geração 
perdida.
Gosto mais da 13 de maio no Bixiga,
suas casas de Rock e de suas cantinas.

Tatuapé, um pouco de classe média 
na Zona leste, praça Silva Romero,
me da saudades de meu avô.
Zona Norte, Carandiru, agora
praça da juventude, derrubaram as 
estruturas que aprisionavam suas vergonhas,
e deram espaço para um pouco de lazer e cultura.

Em São Paulo você encontra tudo,
qualquer coisa que deseja,
caridade, malandragem e avareza,
a falta clara de educação quando pega
o trem para o subúrbio,
e a força que se mantem autoritária, agindo
no escuro.

São Paulo de todos sabores,
das histórias de amores,
do sucesso e da violência,
do povo misturado,
São Paulo é mestiço, mulato,
miscigenado.
Tem arranha céus espelhados,
e favelas de baixo do elevado.
Tem teatros e cinemas,
mais muito mais Shoppings,
grifes famosas, carros esporte,
bom mesmo é o Braz.

Ermelino Matarazzo,
meu berço franzino,
ainda menino procurando nesta imensidão
um lugar para brincar,
populoso bairro, onde as crianças caçam
lazer, nas pipas, na rua e nas praças.
praças mal feitas de concreto,
lhe faltam árvores.
Bairro de lutas, por educação,
moradia e cultura.
Sonhada Casa de Cultura que
nunca saiu do papel, um ótimo
marketing de campanha,
mas a molecada não se engana,
encontram em escombros espaço
para sua arte.

São Paulo é um gigante viciado,
sustenta todo um país,
uma cidade selvagem,
populosa como pau de cupim.
Nela eu cresci e adoeci,
odeio e a amo na mesma sintonia,
gosto do seu ar intelectual tão poluída,
de suas mil tendências.
Onde tribos famintos por espaço
se multiplicam.
Minha cidade, agora só volto a falar de você
amanhã, perdi a hora e tenho que correr,
o metrô parou e o transito também,
e lá fora aquele fedor do rio Tietê. 

Igor Motta
25/01/2013

"O que nos ilude na vida é o que há ao redor, é só prestar atenção ao que há ao redor e notará a artificialidade que há em tudo." 


  






Nenhum comentário:

Postar um comentário